Programação Científica - JPPM - JORNADA PAULISTA DE PLANTAS MEDICINAIS

Ir para o conteúdo

Menu principal:

Programação Científica

Dia 25 de Novembro
Abertura e Minicursos

08:30 Credenciamento
09:00 - MINICURSOS:


Mini- curso I – Aspectos Gerais dos estudos não-clínicos in vitro para avaliação de plantas medicinais
Professor: Ana Lucia Tasca Gois Ruiz
Resumo: Breve introdução sobre estudo de plantas medicinais. Aspectos importantes durante o planejamento de um protocolo experimental in vitro. Diferentes métodos de análise. Vantagens e limitações dos modelos in vitro. Transposição para modelos in vivo.

Mini- curso II – Domesticação de plantas medicinais
Professor: Ílio Montanari Junior
Resumo: Quase a totalidade das espécies medicinais brasileiras ainda se encontram em estado selvagem. Há muitos problemas para cultivar essas plantas, pois não existem variedades nem técnicas de cultivo estabelecidas. O meio ambiente é também afetado, pois a demanda por essas plantas é geralmente suprida pelo extrativismo. Até mesmo os medicamentos ficam comprometidos, já que não se pode contar com matéria-prima adequada para sua fabricação. A domesticação e a criação de cultivares de plantas medicinais nativas são medidas que solucionariam esses problemas. O valor intrínseco de uma planta medicinal está no seu efeito terapêutico e, para que este seja adequadamente avaliado, profissionais de outras áreas deveriam participar dos estudos agrícolas. A domesticação de plantas medicinais é, portanto, um tema multidisciplinar. Estratégias para a seleção de espécies importantes da nossa flora dão início ao processo de domesticação. Assim, essas plantas podem tornar-se novas opções agrícolas, diminuindo o extrativismo e fornecendo às empresas de transformação da matéria-prima quantidade, regularidade e qualidade adequadas.

Mini- curso III – Farmácia Viva
Professor: Renata Cavalcanti Carnevale
Resumo: O minicurso apresentará o projeto Farmácia Viva, a portaria que o institui no Sistema Único de Saúde (SUS) e alguns projetos exitosos de Farmácia Viva no Brasil. Serão também discutidas a importância do resgate do uso de plantas medicinais, a promoção de seu uso.


10:30 Coffee break
10:45 - MINICURSOS (continuação)
Minicurso I - Ana Lucia Tasca Gois Ruiz
Minicurso II - Ílio Montanari Junior
Minicurso III - Renata Cavalcanti Carnevale

12:30 Intervalo para o Almoço


14:30 Cerimônia de Abertura
15:00 Palestra de Abertura - The stories that fluorescent signals from whole cells can reveal
Palestrante: Anita Jocelyne Marsaioli

Resumo: New fluorescent compounds are important chemo-enzymatic tools to reveal enzymatic activities in vitro and in vivo environments. These applications can reveal organelles, membranes, nucleus and enzymatic activities with fluorogenic probes, signaling the presence of specific enzymes. In this context, several fluorogenic compounds were synthesized, with novel photo physical characterizations and specific biological applications are discussed. As the simultaneous detection of hydrolases in microorganisms, with probes that present different fluorophores (resorufin and umbelliferone) and functional groups (epoxide and ester) that, after enzymatic action, culminate in the same chemical cascade of fluorophore release. This methodology is called multiplex screening, revealed the enantiomeric excesses (ee) and conversions of enzymatic reactions, using enantiomerically enriched umbelliferone derivatives probes with a methodology implemented by our research group, named Quick-ee. Also in the biological context, an enzymatic cascade present in breast and prostate human tumor cells, involving PSTP (serine / threonine phosphatases) and ADH (alcohol dehydrogenases),will be discussed. Finally a novel fluorescent substance with a potential photodynamic therapy in prostate cancer cell will be discussed.

Dia 26 de Novembro
Cultivo e Produção

08:30 Recepção
09:00 Palestra I - Ingredientes botânicos: pesquisa e desenvolvimento de cadeias produtivas
Palestrante: Deborah Castellani
10:00 Apresentação Oral (1 trabalho)

10:30 Coffee break

10:45 Mesa Redonda I - Cadeia Produtiva de Plantas Medicinais

Componentes da mesa: Ana Maria Soares Pereira, Maria Cláudia Blanco e Ana Cecília Bezerra Carvalho
12:30 Intervalo para o Almoço

13:00 Apresentação de Painéis

14:30 Apresentação Oral (3 trabalhos)

15:45 Coffee break

16:00 Palestra II - Diagnóstico de produtores interessados na cadeia produtiva de plantas medicinais e aromáticas/legislação de acesso ao patrimônio genético e evolução
Palestrante: Raquel Popolo Silveira Capaz

Resumo: A palestra trará a abordagem utilizada pela empresa na prospecção e desenvolvimento de parceiros rurais para cultivo e/ou manejo florestal sustentáveis de plantas medicinais e aromáticas, visando atender a demanda de empresas das indústrias de alimentos e bebidas, farmacêutica e cosmética. Através de soluções integradas, que incluem pesquisa, desenvolvimento e inovação botânica, suporte técnico para implementação e manutenção da produção e apoio com requisitos para cumprimento da Lei de Acesso à Biodiversidade, a empresa promove o BioComércio ético e o abastecimento de espécies de interesse com qualidade e rastreabilidade.

Dia 27 de Novembro
Química

08:30 Recepção
09:00 Palestra III - Aplicação de novas tecnologias para desenvolvimento de produtos com propriedades terapêuticas da Artemisia annua
Palestrante: Soraya El- Khatib

Resumo: Apresentaremos sobre os principais desafios envolvidos nas diferentes etapas de desenvolvimento de produtos naturais com eficácia terapêutica comprovada contendo extratos de Artemisia annua em diferentes condições de extração a partir da aplicação de uma nova tecnologia patenteada. Explanaremos também sobre os desafios para validação desses novos produtos no mercado atual, assim como os investimentos necessários para as diferentes etapas de desenvolvimento.
10:00 Apresentação Oral (1 trabalho)

10:30 Coffee break

10:45 Mesa Redonda II - Da planta ao medicamento
Componentes da mesa: Luís Carlos Marques, Romulo Reis e Nilsa Sumie Yamashita Wadt

12:30 Intervalo para o Almoço

13:00 Apresentação de Painéis
14:30 Apresentação Oral (3 trabalhos)

15:45 Coffee break

16:00 Palestra IV - Substantividade de fragrâncias em cabelos virgens e danificados
Palestrante: Rebéca Mantuan Gasparin

Resumo: Fragrâncias são misturas complexas de matérias-primas, naturais e sintéticas, muitas delas derivadas de óleos essenciais. A fragrância é um dos principais fatores de decisão no momento da compra de produtos capilares. Seu desempenho durante o uso de um produto pode significar a diferença entre a fidelização do cliente e seu desencanto pela marca. Assim, fragrâncias para cosméticos capilares devem possuir matérias-primas com características físico-químicas (peso molecular, polaridade, difusibilidade, classe química, etc) que garantam uma boa explosão no momento do banho e, também, uma boa substantividade nas fibras capilares, sendo este último fator, diretamente dependente da qualidade da fibra, ou seja, do nível de dano presente nos cabelos. Diferentes processos físicos e/ou químicos aos quais os cabelos estão expostos no nosso dia-a-dia podem alterar a substantividade de determinadas matérias-primas de fragrâncias nos cabelos, de acordo com sua natureza e intensidade, interferindo, inclusive, na percepção da eficácia do produto final pelo consumidor. Entender melhor os danos capilares, através de técnicas de caracterização das fibras, como FTIR, ensaio de tensão-deformação e DSC, bem como sua relação com a retenção de fragrância pelas fibras, por meio de análises de cromatografia gasosa, pode auxiliar no desenvolvimento de fragrâncias cada vez mais direcionadas para cada tipo de cabelo, com desempenho superior e qualidade garantida.


Dia 28 de Novembro
Farmacologia e Usos

08:30 Recepção
09:00 Palestra V - Atividade anticâncer de produtos de origem vegetal

Palestrante: João Ernesto de Carvalho

Resumo:
Por muitos séculos a natureza têm sido fonte de agentes terapêuticos e base para a síntese de diversos fármacos para o tratamento de diversas doenças, entre elas, o câncer. Atualmente, mais de 60% das substâncias utilizadas no tratamento do câncer são obtidas da natureza ou sintetizadas tendo como inspiração os produtos naturais. Além disso, 25% das drogas prescritas no mundo são de origem vegetal fazendo das plantas e seus derivados sintéticos importantes fontes de medicamentos. Nesse contexto, as pesquisas de diversos produtos naturais como fornecedores de compostos promissores têm sido apontadas como um dos caminhos para a descoberta de novas drogas anticâncer.
No Brasil sua rica diversidade vegetal tem sido, desde os tempos ancestrais, usada para tratar uma ampla varuedade de doenças, incluindo o câncer. Apesar dessa imensa biodiversidade, grande parte das plantas brasileiras possui pouco ou mesmo nenhum estudo químico ou biológico, sendo, portanto, fonte importante para a pesquisa de novos fármacos. As espécies vegetais, por serem organismos sem locomoção, produzem princípios ativos tóxicos como forma de defesa contra predadores e patógenos, que, eventualmente, podem também apresentar atividade em câncer e em doenças infecciosas e parasitárias.
Com o aprimoramento da metodologia de cultura de células foi possível o desenvolvimento de diversas linhagens celulares oriundos de tumores humanos, que possibilitaram o desenvolvimento das metodologias utilizadas para triagem in vitro. Dessa forma pode-se avaliar um número elevado de drogas em diferentes tipos de células neoplásicas, possibilitando a descoberta de drogas com maior especificidade. Além disso, esse modelo através da comparação do desempenho de novas drogas potenciais com outras já avaliadas e padronizadas, permite o estabelecimento de hipóteses sobre o mecanismo de ação desses novos compostos.
A atividade citocida seletiva sobre células cancerosas, observada em modelos in vitro, pode não se refletir necessariamente numa atividade in vivo. Portanto, na segunda fase da pesquisa é necessária a comprovação dos resultados obtidos in vitro em modelos experimentais utilizando animais de laboratório, que permitem a obtenção de informações sobre a farmacocinética e farmacodinâmica do novo composto. Portanto, um estudo combinado desses dois modelos é fundamental para conclusão mais apropriada sobre o potencial anticâncer de uma nova substância.
10:00 Apresentação Oral (1 trabalho)

10:30 Coffee break

10:45 Mesa Redonda III - Uso racional de plantas medicinais
Componentes da mesa: Larissa Saito da Costa, Patrícia de Carvalho Mastroianni e Nelson Filice de Barros

12:30 Intervalo para o Almoço

13:00 Apresentação de Painéis
14:30 Apresentação Oral (3 trabalhos)

15:45 Coffee break

16:00 Palestra de encerramento - Origem botânica, composição química e atividades biológicas de própolis brasileiras
Palestrante: Jairo Kenupp Bastos

Resumo: As própolis brasileiras produzidas por Apis mellifera denominadas verde, marrom e vermelha, com cerca de 200 toneladas produzidas por ano, têm grande importância econômica devido às suas atividades biológicas e exportação para vários países, como Japão e China. As principais origens botânicas das própolis brasileiras são: Baccharis dracunculifolia para própolis verde; Araucaria sp, Eucalyptus sp e outras plantas para própolis marrom; Dalbergia ecastophyllum para a própolis vermelha.  As própolis brasileiras, especialmente a verde e vermelha, que foram mais bem estudadas apresentam as seguintes atividades biológicas confirmadas e reportadas em periódicos científicos: antimicrobiana, imunomodulatória, anti-inflamatória, antiparasitária, cicatrizante, gastroprotetora, citotóxica, antidiabética e antioxidante. Serão apresentados dados gerais sobre própolis no mundo e serão destacadas as própolis brasileiras, especialmente a verde e a vermelha com dados químicos, analíticos, biológicos e agronômicos desenvolvidos nos últimos em colaboração com diferentes grupos de pesquisa.

17:00 Encerramento


 
Promoção e Realização
Agência
Apoio
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal